Voltando aos poucos <3

Sei que estou sumida. A vida anda me dando uns sustos, umas chacoalhadas pois a saúde não vai bem. Estou passando por um turbilhão de exames e não está fácil. É difícil quando acontece coisas com a nossa saúde. Coisas que nem imaginávamos que podiam acontecer. Quando eu souber exatamente o que eu tenho, eu conto a vocês. Espero que eu volte logo para contar que foi apenas uma bobagem. Por enquanto peço um bocadinho de energias boas, vibrações, orações para que tudo isso passe logo. Vou voltando por aqui aos poucos, quando tiver cabeça e coragem. <3

Como fazer um pote de coisas boas e trazer otimismo para a vida

Depois de dois meses com posts diários, sexta-feira não teve post. Passei a semana inteira com enxaqueca e um desânimo sem tamanho pelo rumo que as coisas no país andam tomando.

É tão difícil se manter otimista e ter perspectivas boas para o futuro quando o que se vê são muitas mudanças que só aumentam a diferença social e a falta de acesso da população a coisas básicas como direitos, saúde e educação.

Não está fácil.

Para não me deixar abater, pensei em algo que pudesse dar um ânimo a mais quando a tristeza quisesse chegar. Foi assim que surgiu o Pote de Coisas Boas.

A ideia funciona sim: todas as vezes que eu tiver um momento feliz ou que eu me der conta de alguma coisa legal que me aconteceu, eu escrevo em um bilhetinho e coloco no pote.

Dessa forma, depois de uns dias, terei um pote de notícias e memórias boas para dar um gás nos dias mais difíceis. E o legal é que todo mundo da família pode participar e fazer juntos um pote de otimismo, pois estamos precisando muito nessa vida.

É possível fazer o pote da forma que você quiser mas aqui mostro como fiz o meu.

pote_de_coisas_boas_materiais

Materiais
Pote de vidro
Vinil adesivo preto ou etiquetas adesivas (eu usei as etiquetas pretas da Pimaco)
Giz branco ou caneta de tinta branca
Pedaços pequenos de papel
Canetas coloridas

pote_de_coisas_boas_1

1. Escrevi “Coisas boas” na etiqueta preta. Você pode adaptar para outro tema também. Pensei que um “pote de autoestima” com registros de conquistas e de coisas legais em você poderia ser bem bacana também.

pote_de_coisas_boas_3

2. Colei o adesivo no pote de vidro. Você pode substituir o pote por uma caixinha ou lata reciclada se preferir.

pote_de_coisas_boas_2A

3. Escrevi coisas legais que me aconteceram nos últimos dias.

pote_de_coisas_boas_2

4. Coloquei no pote e deixei na estante em um lugar fácil de acessar.

pote_de_coisas_boas

A ideia é alimentar o pote de coisas boas com frequência. Isso além de nos animar nos dias difíceis, ajuda a sempre prestar atenção nas coisas boas que acontecem para deixar registrado.

Agora é tentar manter a cabeça erguida e a energia viva para enfrentar os dias que virão. Boa sorte para nós.

“Eu não tenho jeito para fazer essas coisas manuais”. Será mesmo?

Tem gente que acha que nasceu com duas mãos esquerdas. Essas pessoas acreditam que para fazer projetos com as próprias mãos é preciso “ter jeito para isso”, ou seja, é necessário nascer com o dom. Pensam que quem não tem esse talento não consegue fazer nenhum tipo de trabalho manual.

crafty

Ouço esse tipo de crença quase que diariamente desde que comecei esse blog há mais de 8 anos. E preciso dizer: me contorço quando escuto isso. Não acredito nessas afirmações e reverter esse tipo de pensamento é um dos motivos do Casa de Firulas existir.

“Ter jeito” para manualidades tem muito mais relação com botar a mão na massa e tentar repetidas vezes do que nascer com o dom. É mais resultado de esforço e estudo do que de talento nato. E sendo assim esse tal “jeito” é acessível a qualquer um. Basta querer.

hands-forming-clay

Porém, para ter vontade de tentar, estudar e se esforçar até que um dia o “jeito” flua naturalmente é preciso se apaixonar. E a paixão, minha amiga, essa só aparece quando a gente se dispõe a amar, dar o braço a torcer e tenta! :)

Para criar um clima, esse ano tracei um novo caminho para o Casa de Firulas. Nossa principal missão agora é estimular essa paixão pelo faça você mesmo.  É alimentar o amor de quem já faz e desenvolver o “jeito” de quem ainda dá os primeiros passos. Continuaremos a manter o nosso foco em decoração e em vida prática, no entanto sempre pensando em ideias e soluções que você mesma pode fazer.

1

E talvez um dia esse tal “jeito” será uma coisa tão natural a ponto de todo mundo poder botar em prática ideias que emocionam e alegram sem nunca duvidar da sua capacidade.

Vem comigo?