Como ter ideias? (Ou o que faço para oxigenar as minhas)

Não sei se está acontecendo com vocês, mas a cada dia que passa estou vendo as mesmas fotos e notícias nos blogs e sites de estilo de vida que acompanho. E aqui eu assumo o mea-culpa! Por exemplo, esse apartamento que postei em junho. Tenho certeza que se você segue alguns sites ou blogs de decoração, você viu em pelo menos mais uns 5 lugares!

Eu, que sempre defendi que conteúdo legal a gente adquire na vida offline, de repente me vi replicando “notícias bacanas” com mais frequência do que gostaria. Repassar coisas incríveis que encontramos não é ruim. Mas para a criatividade fluir é preciso buscar inspiração em outros cantos também, além dos sites e das mídias sociais.

Quando as ideias secam por aqui, eu costumo ir ao centro da cidade ou a alguma exposição. No centro, os diferentes materiais, texturas e misturas sempre fazem pipocar alguns projetos. Nas exposições, além das obras em si, a forma como é pensada a montagem também traz insights.

vinil adesivo Quantas ideias podem surgir desta diversidade incrível de vinil adesivo que tem no centro da cidade?

carimbos Algumas exposições como essa do MIS trazem inspirações literais para projetos!

E quando a questão é encontrar alguma solução decorativa, também gosto de passear nas grandes lojas de móveis e artigos de decoração. Não para comprar os objetos em si, mas para ver as soluções dadas por eles em espaços ambientados, no design de utilitários e pensar em forma de fazer hacks daquelas soluções.

E por aí? O que você faz para oxigenar as ideias?

Visita nova na casa

Um dos meus planos para 2017 é convidar um monte de gente legal para colaborar aqui no blog. Fiquei feliz em saber que antes do ano novo chegar uma amiga querida já aceitou o convite!

Vania com frequência compartilhava vídeos incríveis no Facebook. Eu sempre achava que os vídeos que ela postava tinham tudo a ver com o Casa de Firulas. Então, passei alguns meses aperriando ela para compartilhar também com vocês! A partir de hoje vocês irão ver posts de Vania por aqui!

vania

Vania é designer, pesquisadora e maker. Ela trabalha como consultora e facilitadora de processos de design thinking e é apaixonada por trabalhos manuais. Essa paixão faz ela encontrar e criar verdadeiras jóias do universo craft!

Seja bem-vinda, Vania! Sinta-se em casa!

Sobre apego, lembranças e deixar os móveis partir

Dora está crescendo. Ela já corre, conversa, dança e canta pela casa toda. Minha bebê não é mais uma bebê. E isso às vezes dói.

Lógico que eu amo ver ela crescendo saudável e virando uma menininha esperta e curiosa. Mas diariamente estou sofrendo de uma angústia danada por estar me dando conta que já não posso proteger minha pequena nos braços como antes.

Vocês vão rir de mim, mas essa crise toda foi porque essa semana vendemos a poltrona de amamentação dela. Nessa poltrona passei os primeiros momentos mais difíceis e também os mais lindos com a minha filha. Foi nela que chorei por muitos dias quando me dei conta que meu leite nunca “desceria” e foi nela que, mesmo assim, decidi que continuaria oferecendo o peito para ela enquanto ela quisesse.  Foi nessa poltrona que trocamos os primeiros olhares, carinhos e afetos. Ouso até dizer que foi nela que nos tornamos mais mãe e mais filha.

doraquarto4-1

E sendo assim, deixar a poltrona ir embora, por incrível que pareça foi uma decisão que nos doeu muito.  Mas aconteceu. Agora temos mais espaço para que o quarto de bebê vire um quarto de criança.

Achei muito surreal a avalanche de sentimentos que um móvel nos causou. Não gostei de sentir isso e o objetivo de agora em diante é tentar ter menos apego às coisas dela. Vamos ver. Ainda falta ir embora o berço (ai, meu coração).